Just stay with me ok?
Visitantes:
acesso gratis


"Não é só porque eu gosto de escrever sobre a minha vida, que eu vá deixá-la escorrer pelas minhas mãos." - Amanda Zago
© theme + dtls 
1 2 3 4
“O clima mudou um pouco quando Simone olhou para o banco da praça e questionou por onde andava Miguel.
— Desde que Marcel surgiu, o meu anjo conselheiro desapareceu. Nunca mais voltou aqui para esse banco.
— Estranho, né?
— É.
Laura parou e ficou olhando para aquele banco vazio, como alguém que se dá conta semanas depois de ter perdido um amuleto ou o pingente de um chaveiro predileto.
— Será que ele nunca mais vai aparecer?
— Não sei. Sabe, tou até me sentindo culpada.
— Por quê?
— Desde que o Marcel apareceu. Eu sinto saudades do Miguel, sim…. mas… poxa, o Marcel me preenche tanto, de um jeito que o Miguel nunca preencheu. Sempre ficava faltando algo.
— Preenche, né? Sei perfeitamente como é que ele anda te preenchendo. Hahaha!
— Não acredito que você disse isso, Simone?! Olha a mente poluída dessa pessoa. Eu abrindo meu coração pra você…
— É você que está dizendo.
— Tou falando do lado afetivo, sua devassa.
— Ui, bem que eu queria ser uma devassa preenchida. Mas carteiros sarados estão em falta, sabe?
— Não precisa executar para ser uma devassa, basta pensar. — Laura sorveu mais do creme gelado, moldando o sorvete com a língua, reduzindo seu tamanho significativamente. — Sabe o que é mais estranho?
— Conta.
— Apesar de ele ter sumido sem dar notícia alguma, sei que está tudo bem. O que estou vivendo com o Marcel é tudo o que ele sempre queria, tudo o que ele sempre dizia pra eu fazer.
— O quê? Se deixar preencher? Hahahaha!”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 170, via: (sombraemilk)

2 years ago 0 notes · source · reblog
“Amor algumas vezes também traz medo.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 169, via: (sombraemilk)

“A voz de Laura martelava aquela mantra de desespero em sua mente. Sabia que ela clamava por outro, mas sabia principalmente que clamava por ajuda.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 131, via: (sombraemilk)

2 years ago 0 notes · source · reblog
“Ele queria ser mais que Miguel. Além de consolá-la e escutá-la, queria beijá-la. Queria Laura em seus braços, em seus lençóis, em sua vida. Queria ser para ela o que ela jamais tivera. Um homem de verdade. Um homem para o que der e vier. Um homem para tapar aquele buraco, aquele vazio aberto e consumido pela solidão que ela acreditava ser justa e feita especialmente para sua vida. Laura tinha aceitado a solidão.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 129, via: (sombraemilk)

“Algemas. A dor era como verdadeiras algemas. Não aquela que o delegado atou em seus pulsos ao conduzi-la à delegacia. Facas no coração. [..] Algum tempo já a separava daquela manhã tenebrosa. Secou os olhos e respirou fundo, como se conclamasse uma última vez por sua serenidade, tentando se acalmar. Infelizmente, daquela vez, Laura conseguiu. Estava controlada. Abriu os olhos e encarou a dúzia de comprimidos dispostos em cima de uma toalha de algodão bem ali, na sua frente; bem ali, no tempo presente, longe do passado. O psiquiatra tinha dito que bastavam três daqueles para mandá-la para o inferno. Doze seria mais que suficiente, pois bem. Doze doses de calmante. Doze minutos para a inconsciência. Doze horas para o sepultamento. Doze dias para ser esquecida para sempre. Doze badaladas no relógio.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 128, via: (sombraemilk)


“— Sei que tenho que ser forte. Todos os dias tento voltar a sorrir, mas simplesmente não dá. Eu penso no meu pai. Eu tenho que ser forte por ele agora.. Mas está sendo tão difícil.
— Tem que ser forte por você. Tem que ser forte por você. Não vale a pena anular a vida com tristeza. Estamos aqui, passando pelos dias, passando por nosso período de vida, é um desperdício tremendo ficar aguando as ervas daninhas do passado, as frutas mortas. Deixe a alegria florescer no seu coração, Laura. O que está feito, está feito. Você pagou o que devia, agora erga a cabeça e continue, garota. Crie um futuro. Crie alegria no seu futuro. O que conta é o agora e nada mais.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 78, via: (sombraemilk)

2 years ago 0 notes · source · reblog
“— Qual é o caso? — perguntou Gabriela, apontando para a pasta em seu colo.
— Eu odeio essa merda. Não gosto disso — resmungou, dando outra tragada.
— Joga fora. Isso mata.
— Não estou falando do cigarro, estou falando do caso. Tsc. Mulher morta é de foder.
— Hum.
— Acharam o corpo hoje cedo, amanhecendo o dia. Chamaram a Militar, que de cara já identificou o presunto. A guria tinha passagem por porte de entorpecentes. Todo mundo que vive nesse mundo de tráfico acaba feito merda… E a merda sempre sobra pra gente.
— Você sempre fala tanto palavrão?
— Falo menos à noite, quando estou dormindo.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 50, via: (sombraemilk)

2 years ago 0 notes · source · reblog
“Mais uma vez ela encarava o pai e, sem se dar conta, alisava a cicatriz no próprio pulso. Não entendia como uns lutavam tanto para manter-se agarrados ao fio da vida e outros, fracos como ela, entregavam-se de bandeja às teias da morte, de bom grado, de boa vontade, com todo desejo de ir-se embora para outro lado do manto, e acabavam sendo regurgitados para essa existência que todos os conscientes teimavam em chamar de vida. Ela vinha perdendo as forças. Laura conseguia ludibriar a todos vestindo um sorriso ensaiado e desfilando com ele pela rua, pela padaria, entre os amigos de trabalho. Era mais fácil assim. Com um sorrisinho besta, ninguém notava o tsunami devastador corroendo e erodindo sua alma bem ali, dentro do seu peito. Queria que aquele sorriso na frente do espelho também a enganasse, forjando felicidade, mas não conseguia.”
O Caso Laura, de André Vianco. Página 9, via: (sombraemilk)

“Só compro uma briga quando tenho alguma chance de ganhar. De outra forma, brigar para quê?”
Cilada, de Harlan Coben. Página 36, via: (sombraemilk)